Um Acoplador de antenas para QRP e SWL de HF

Como muitas vezes queremos operar em faixas nas quais não dispomos de antena, ou então vamos viajar e levar o QRP, resolvemos montar um acoplador de antenas de HF .

Pesquisando na WEB encontramos muitos circuitos que operavam de várias formas em L , T, PI e em combinações deles, por uma questão obvia eu procurava por um tipo que permitisse acoplar uma impedância muito alta a uma impedância de 50 Ohms, ainda que fosse fácil obter os componentes e fosse portátil.

A escolha recaiu sobre o tipo T descrita na QST de fevereiro de 1980 pelo colega W1FB Doug DeMaw (SK) no artigo "Matching the transmitter to the load". Que conforme descrição "casaria" com meus propósitos.

O acoplador permite o uso de QRPs com potência até 10W e cobre as faixas freqüências de 3,5 a 30MHz, incluímos um indutor adicional que permite chegar até 1,8 MHz e para a recepção de OM pelos amantes da radioescuta.

O circuito

 

 

 

 

 

Descrição

O medidor de estacionárias

Utilizamos o nosso SWR a led como indicador de sintonia para o acoplador, quando for utilizado em transmissão, o funcionamento é simples e baseia-se na ponte de Wheastone, , onde um desequilíbrio em um dos braços gera uma diferença de potencial que é amplificada pelo transistor e visualizada pelo LED. Dois braços são formados pelos resistores de 47 Ohms e o outro braço pelo resistor de 50 Ohms (2 de 100 Ohms em paralelo), o braço "sensor" tem na condição calibrar outro resistor de 50 Ohms ou na condição medir estacionaria o acoplador.

Após o ajuste de estacionaria a chave é passada para "Direto".

Para uso exclusivo para SWL - radioescuta o circuito do medidor de estacionarias não é necessário.

O acoplador

Basicamente o nosso acoplador é um circuito que de acordo com ajustes pode trabalhar como passa faixa (band pass) ou passa alta (high pass), utiliza capacitores variáveis de rádios portáteis de duas seções em paralelo, normalmente ficando em torno de 250 pF. Os ajustes para melhor performance (menores perdas e atenuação de harmônicos) são com o capacitor da saída do acoplador fique com a máxima capacitância.

Montagem

Este acoplador tem sua flexibilidade de ajustes de impedâncias melhorado devido a forma de montagem do indutor que optamos, normalmente o indutor é do tipo toroidal (figurinha no Brasil hi!) com derivações que são selecionadas por uma chave tipo um polo doze posições.

A nossa montagem utiliza bobinas com núcleo a ar que são colocadas ou retiradas do circuito por chaves de dois pólos duas posições (tipo HH de alavanca). O uso destas chaves deixando as bobinas abertas foi para que não ocorram problemas causados por curtocircuitar as bobinas (portanto não utilizem chaves de um polo duas posições).

A variação de indutancia ficou entre 0,5 a 64 ÁH , variando de meio em meio ÁH (128 possibilidades).

A confecção das bobinas pode ser com tubos de PVC e utilizar para cálculos uma planilha que dispomos no nosso site, ou então com cálculos que são facilmente encontrados na literatura técnica.

Para os cálculos devemos ter em mãos tanto o diâmetro do fio esmaltado, como o diâmetro da forma disponíveis.

È bom lembrar que o comprimento de enrolamento deve ser igual e no máximo duas vezes e meia ao diâmetro da forma.

Os conectores de entrada / saída são do tipo RCA que são padrão nas minhas montagens.

A conexão de terra deve ser curta e com um fio de diâmetro considerável (#1mm2 de área).

A potência máxima recomendada é de 5W, lembrando que com 5W em 50 Ohms teremos cerca de 45Vpp em 100 Ohms - 90Vpp em 1000 Ohms - 900Vpp !

Uso prático

Até o momento utilizamos somente na recepção, com a montagem de um transceptor para 80m, iniciaremos os testes com transmissão.

A recepção de OM melhora muito com este acoplador.

Fotos e resultados práticos publicaremos em breve - aguardem

 

Dúvidas / sugestões / escrevam

py2ohh@yahoo.com.br